Mensagem de Final de Ano (2018)

Prezados Aluno(a):

Esperamos continuar contando com sua colaboração e de toda a sua família.

Sabemos que você não ignora o valor do judô na formação de um corpo saudável para o físico, o espirito e a mente.

Não desanime! Este ano vamos continuar cuidando da sua saúde com muito amor e atenção.

Mais cuidado!

Vamos enumerar alguns fatores que acabam desanimando o grande atleta que se encontra dentro de você.

Lembre-se!

Não se inclua em nenhum desses casos:

  1. Fator tempo, distância, trabalho, estudo…
  2. Você pode estar assim:

 

Nervoso? Irritado?                                     Pode explodir à qualquer momento!

3. Vamos falar também da grande “válvula de escape” que o judô representa. Há pessoas que pensam que uma atividade física, desportiva, impede ou atrapalha os estudos e o trabalho. Você sabe que isso não é verdade! Não custa relembrar que uma atividade desportiva regular e bem dosada, leva a desintoxicação do organismo e consequentemente a uma atividade cerebral eficiente

4.Você deve se lembrar que os nossos melhores atletas e vários alunos que passaram por nossa academia tiveram e tem excelente aproveitamento na escola, no trabalho e na vida, incluindo você, é claro.

Por todas essas razões.

Volte aos treinamentos!   

No mundo de hoje, onde a violência ganha surto arrasador, você, aqui vai aprender a “defesa pessoal estratégica” e ainda cultivar os ensinamentos de Jigoro Kano na sua essência (Jita Kyoei).

Sendo assim, vamos todos juntos continuar trilhando os caminhos da vida colhendo muita saúde, paz, amor e felicidade.

 

SUCESSO!

Takeshi Miura

9º Dan

Silêncio

Momentos de Paz

A Viagem continua e a nave seguindo um caminho rumo ao infinito.

Olhando para fora da nave, consegui visualizar um céu azul, maravilhoso, deslumbrante. Ao mesmo tempo senti um silêncio enigmático e mágico.

Desde que embarcamos, já se passaram bilhões de anos.

Talvez como meta, a viagem segue caminhos difíceis de encontrar um sentido. Viagem em busca de quê? Conhecimentos? Auto realização? Paz? Harmonia?

Se a procura é a paz então porque não conseguimos achá-la? Ou encontrá-la?

Ela está sempre escapando das nossas mãos. Não será uma felicidade que tantos procuramos e não estejam tão longe como imaginamos. Quem sabe ela se encontra tão perto e nem enxergamos.

TAlvez se olhássemos para dentro da nave, dentro da nossa mente e dentro do nosso coração, ela esteja presente e ao nosso alcance. Quando alcançamos ela a paz e a felicidade continham escapando das nossas mãos como se tivéssemos segurando o vento.

Que tal se procurássemos no silêncio, o silêncio mágico que sempre nos acompanha.

O silêncio está presente em todos os momentos do nosso dia a dia,

Se não conseguimos enxergar a paz e a felicidade no silêncio, imaginem então no turbilhão da vida em que vivemos.

Mas, existe o silêncio no maravilhoso sol da manhã. Quando começa o dia eu peço a Deus um dia mágico e feliz diante das tantas aventuras nas próximas 24 horas.

A oportunidade do silêncio já começa no trânsito quando começamos o dia rumo ao trabalho.

São momentos de usar o silêncio nas ultrapassagens, nas gentilezas que nos são oferecidas e agradecer sempre antes de tomar qualquer decisão.

Sempre existe um silêncio entre frases e colocações, sendo de interesse do momento ou pós momento.

Vamos usar o silêncio durante ou depois de uma discussão acalorada, nas reuniões de trabalho, ou mesmo num momento de conversa com a família.

O silêncio está sempre presente, mesmo diante de um combate, quando perdemos ou saímos vencedores.

Vamos usar o silêncio sempre antes de tomar uma decisão breve e rápida.

Quando temos tempo para pensar e refletir, mesmo assim é bom escutar o silêncio antes da tomada de decisão.

E no final da tarde no retorno ao abençoado aconchego da família o silêncio durante o dia foi mais uma benção de Deus. Foi muito importante o uso do silêncio para não ferir e magoar as pessoas no convívio diário.

Quantos silêncios deslumbrantes diante de um Van Gogh, Picasso, Renoir, Mabe, Miura e tantos que nos maravilham, com suas cores e pinceladas.

E nas músicas de Frank Sinatra, Elvis, Tom Jobim, Louis Armstrong, Alcione, Beethoven, Chopin tantos outros que sempre provocam de silêncios que tocam a nossa alma.

Quantos escritores que tive a oportunidade de ler, alguns que me marcaram profundamente como o pequeno príncipe, o profeta e mais uma leva de coletâneas que causaram muitos momentos de silêncio e reflexão.

E nos momentos de ira, raiva, descontrole emocional, podemos e devemos usar o silêncio e voltar atrás antes que se tornem fatos danosos. O silêncio é uma ferramenta que evita o mau maior que é o caminho das desgraças e desesperanças.

Quantos problemas foram evitados pelo Jigoro Kano com a criação do judô, o Jita Kyoei e Seiriyoku Zenyo, quando ele teve a oportunidade de colocar o silêncio sempre antes de qualquer decisão. E nós seus seguidores também temos que agir da mesma forma.

E aquele cheirinho gostoso que provoca água na boca quando o silêncio se instala e sentimos o carinho do arroz e feijão da mamãe. Vejam que coisa maravilhosa.

Nos silêncios podemos observar os pássaros e os grilos cantando, o barulho do vento batendo nos galhos das árvores, as nuvens passando e observar o entardecer de mais um lindo por do sol de Brasília.

E na calada da noite, o silêncio é cortado com o uivar do vento, o piar das corujas e a alegria do tilintar dos sinos da felicidade.

O silêncio continua ora cortado por pensamentos ora por imaginações vagando universo a fora.

O silêncio de Deus entra na minha alma, talvez ensinando que o melhor é o silêncio em todos os momentos da vida.

Obrigado Deus!

E quando chegar o momento do silêncio da eternidade eu esteja preparado para continuar esta viagem por mais séculos de esperança.

Psiu! Psiu! Psiu!

Vocês não são fardos para mim.

Vocês são meus irmãos.

Psiu! Psiu! Psiu!

Você é meu irmão!

 

Sensei Takeshi Miura

Download do texto “Silêncio”.